top of page

Entenda como a Matriz É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ pode te apoiar na definição de um produto

No artigo de hoje eu quero continuar a explorar as melhores ferramentas para iniciar e melhorar o desenvolvimento de um produto digital, trazendo exemplos concretos para você.


E para enfatizar essa ideia e te ensinar a tirar somente o melhor da fase de Discovery de um produto, eu vou te contar tudo sobre a matriz É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ.


Vem comigo entender mais sobre esse processo!


É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ | O que é?


O É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ nada mais é que uma matriz, isto é, um quadrante feito sob medida para te auxiliar a definir um produto, um serviço, uma estratégia, uma ideia e até as atividades de um time por exemplo.


Essa matriz vai te apoiar em diversas etapas de um projeto de produto digital – do Discovery ao Delivery, além de realizar definições que apoiam na gestão.


Para você ter uma ideia, o Paulo Caroli, pai da Lean Inception para Discovery de Produtos Digitais, inseriu o É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ como ferramenta nas sessões, e tornou o método ainda mais eficaz.


Genial né?


E olha só que interessante, quando a gente traz o É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ para o processo de ideação apoiando ferramentas como o Lean Canvas e o Design Thinking, fica ainda mais clara a utilidade dessa matriz nas etapas de definições.


Lembra do Double Diamond dentro do processo de Design Thinking?


Pois então, quando aplicamos o É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ na parte de definições do Double Diamond por exemplo, a atividade se apresenta como uma excelente ferramenta!


Isso porque essa matriz vai garantir que a gente defina e forma clara nosso brainstorming, nessa etapa de chuva de ideias.


Me conta uma coisa, até aqui você está me acompanhando? Então vem que tem mais informação chegando!

É - Não é – Faz - Não faz | Passo a Passo


Vamos colocar agora o É - Não é – Faz - Não faz em prática?



Para isso precisamos utilizar o quadrante da matriz seguinte maneira:

  • Coloque apenas uma ideia/definição por post it;

  • Não economize nos post-its. (SIM, quantidade é importante)

Se atente para o fato de que quanto mais post-its você puder colocar em cada um dos quadrantes, melhor vai ficar a sua definição dentro da matriz.


Por exemplo, vamos colocar um post-its no quadrante É com informações sobre: “O que meu produto é?”.


Se a quantidade de informação for vasta, mais chances de acertos nas definições vão acontecer. Certo?


Nos próximos quadrantes, podemos pensar em responder as seguintes perguntas:

  • O que o meu produto não é?;

  • O que o meu produto faz?;

  • O que o meu produto não faz?

Os posts its irão organizar as ideias do brainstorming e levar às suas definições.


É - Não é – Faz - Não faz | Por que apenas uma ideia por post-it?


Vamos lá, eu gostaria de enfatizar que para tirar o melhor proveito da matriz é importante escrever no seu É - Não é – Faz - Não faz apenas uma ideia por post-it, beleza?


Você pode estar se perguntando agora, -"Mas Bruna, por quê?"


E a resposta é simples, porque quando aprimoramos um produto e amadurecemos a sua proposta de valor, pode ser que aquele post-it anterior não faça mais sentido e então podemos de tempos em tempos ir revisitando nossa matriz, excluindo, adicionando e trocando de post-its de quadrante.


É o que acontece por exemplo, quando alguma definição e/ou funcionalidade do seu produto que não se encaixa hoje, e está no quadrante Não é, mas que no futuro passa a ser relevante, respondendo as necessidades e desejos do nosso usuário, e então, e precisamos trocá-la para o quadrante É.


Então, agora que já expliquei a teoria de uma única definição por post-it, eu gostaria de destacar uma das principais características dessa matriz, é o fato de ter que ser muito viva e que você precisa manter ela viva sempre.


Entenda que os seus post-its poderão transitar de um quadrante para o outro na matriz É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ, sempre que necessário, trazendo ainda mais ideias ou definições para o produto.


E se a sua matriz for dinâmica, naturalmente irá te oferecer mais clareza, percepção e concretude para o processo de definição de um produto.


Viu só como uma definição de produto com a matriz É – NÃO É – FAZ – NÃO FAZ pode ser simples e extremamente prática? Além de muito útil, é claro.


Me conta o que achou desse artigo e se você conseguiu colocar em prática essa matriz no seu processo de Discovery.


E não se esqueça, eu estou aqui para te ajudar!


883 visualizações

Comments


  • Instagram Bruna Fonseca
  • Linkedin Bruna Fonseca
  • YouTube
bottom of page