top of page

Granularidade do Backlog

Você que trabalha com metodologias ágeis e ainda tem dúvida sobre granularidade do backlog, fica tranquilo porque essa dúvida não é só sua viu?!


Granularidade é um assunto que eu adoro e acho bem legal de trazer!


No entanto eu ainda vejo as pessoas com muita dificuldade de compreender o assunto.


Por isso quero falar hoje de granularidade, exemplificar a ideia e expor os tópicos que englobam o assunto.


Vem comigo que eu vou te explicar!


Afinal o que é Granularidade do Backlog?


Como o assunto é vasto e bastante complexo, hoje a gente vai entender melhor a granularidade em Idea, Épico, Feature, User Story e Task, o que já é muito conteúdo! Clica aqui para entender a diferença entre eles.


Bem, conceitualmente posso te dizer que a granularidade do backlog é a maior ou a menor extensão na descrição do comportamento esperado do produto em uma especificação funcional.


A confusão sobre granularidade para montar um backlog é normal, mas o começo do seu pensamento deve vir sempre atrelado à pergunta: O que eu pretendo entregar para o meu cliente?


Tudo começa com a idea que deve ser validade se atende as necessidades e desejos do usuário, posterior à validação e em caso positivo, essa ideia deve ser granularizada em pedaços de entrega de valor que juntos contemplem toda a jornada do usuário. A esses pedaços damos o nome de épicos.


Esse conjunto de épicos fazem parte do roadmap e compõe o backlog que serão granularizados mais uma vez em features, em sua tradução literal, funcionalidades, que servem como organizadoras de entrega de valor entre os épicos e as User Stories.


Após as funcionalidades definidas, agora vamos granularizar mais uma vez, dessa vez contando as histórias do usuário.


As histórias do usuário, representam as necessidades e desejos dos usuários finais,e devem fornecer informações suficientes para o negócio e também para o time de desenvolvimento.


Quando tenho essas histórias criadas é hora do Dev Team, granularizar essa história nas tarefas (tasks), que obrigatoriamente devem ser técnicas.


Até aqui, está dando para entender um pouquinho?

Vamos aos exemplos para te ajudar a compreender um pouco mais sobre o assunto.


Exemplo de granularidade do backlog


Vamos fazer um exercício de imaginação e colocar a granularidade do backlog na prática?


Imagine o seguinte, eu tenho um site institucional e desejo começar a vender um produto ou serviço pelo meu site.


Ok, isso é apenas uma ideia, então eu preciso validar essa ideia.


Vou fazer um passo a passo, acompanhe:


Passo 1 – Ideia:

Vender um produto ou serviço pelo site.


Passo 2 – Validação:

Como eu valido uma ideia?

Bem, eu começaria perguntando se os meus usuários comprariam pelo meu site, ou se veem valor no meu produto e também se eles têm o hábito de comprar o que ofereço pelo meio digital.


Passo 3 – Começar a granularizar:

Após validar a ideia, e constatando que ela entrega valor, então é chegada a hora de granularizá-la.


Assim eu crio épicos - a partir da ideia de começar a vender algo no meu site.


Eu poderia ter por exemplo os seguintes épicos:

  • épico de pagamento

  • épico de pedido

  • épico de vitrine

  • épico de segurança e assim por diante.

Portanto eu posso contar com vários épicos que abrangem essa ideia de começar a vender no meu site.


Passo 4 – Features:

Dentro do épico “pagamento” eu teria algumas features – que representam as funcionalidades do épico.


As features representariam as formas de pagamento no meu site.

Por exemplo:

  • Pix

  • Boleto

  • cartão decrédito.

  • integração com bancos parceiros

  • integração com a PagSeguro


Passo 5 – User Stories:

Dentro das features eu teria as user stories, que são histórias dos usuários. As user stories representam o menor pedaço independente que entrega valor.


Na feature PIX, eu poderia ter as seguintes histórias do usuário:

  • Realizar o pagamento através do QR Code.

  • Pagar com a chave pix.

  • Pagar com PIX copia e cola

Todas essas entregas de valor dizem respeito às histórias dos usuários.


Passo 6 – Tasks:

Das histórias do usuário ainda granularizamos as tasks, que nada mais são que as tarefas técnicas. As tarefas técnicas, é o time técnico que identifica, granulariza e as executa.


Seguindo nosso pensamento, na história do usuário de pagamento via pix por QR Code. O que tecnicamente o dev team precisa fazer para que essa ação aconteça?


O time vai precisar por exemplo, integrar o site com um banco para conseguir gerar o QR Code de pagamento, inserir o script de atualizações periódicas, entre outras.


Quando falamos de tarefas técnicas, estamos nos referindo a atividades relacionadas a documentação técnica, integrações, API de serviços, Banco de Dados e etc...


É o time técnico que vai dizer quais são as tarefas técnicas derivadas de uma história do usuário.


Acompanha o resumão aqui comigo:

  • Ideia: Vender um produto ou serviço pelo site.

  • Épico: Pagamento

  • Feature: PIX

  • User Story: PIX QR CODE

  • Task: Integrar API do banco XPTO

Viu só como esse tema é superinteressante e quando colocado de maneira prática e didática pode ficar mais simples e compreensível?


Conta para mim o que você achou desse conteúdo!


Espero que tenha gostado e te ajudado no dia a dia.

Até o próximo artigo!


104 visualizações

Comments


  • Instagram Bruna Fonseca
  • Linkedin Bruna Fonseca
  • YouTube
bottom of page