Agilidade emocional: a importância da inteligência emocional em uma liderança ágil

Você certamente já ouviu falar da importância da inteligência emocional para a liderança ágil, mas você já ouviu falar de agilidade emocional? Vem saber mais sobre a importância dessas duas.


A agilidade emocional e a inteligência emocional na liderança ágil


O termo agilidade emocional foi criado pela Harvard Business Review, e está muito ligado ao termo inteligência emocional, mas são conceitos distintos.


Enquanto a inteligência emocional está relacionada à capacidade de conhecer e controlar as próprias emoções, a agilidade emocional refere-se à habilidade de lidar com as experiências internas de maneira consciente e produtiva.


Agilidade emocional somada a importância da inteligência emocional na liderança Ágil


Tanto a inteligência emocional, quanto a agilidade emocional podem trazer um grande impacto para o desempenho e modo como os líderes tratam as outras pessoas no ambiente de trabalho, impactando diretamente e positivamente na forma como sua liderança é exercida e percebida, resultando no que chamamos de liderança ágil.



Isso porque a inteligência e a agilidade emocional proporcionam um equilíbrio entre razão e emoção, algo que é fundamental para os líderes de maneira geral. Mas, mais que isso, tanto uma quanto a outra favorecem a sintonia com as próprias emoções, sem ocasionar a supressão ou o controle delas, gerando inúmeros benefícios para a carreira e para a saúde também.


Vale ressaltar, que é possível ter a inteligência emocional e não ter a agilidade emocional, e o mesmo acontece com relação a ter a inteligência, mas não a agilidade. E isso é um problema já que as duas coisas devem se completar.


Se você é um líder, você precisa ter inteligência emocional, isso é um fato. No entanto, você poderá melhorar sua liderança ao se tornar um profissional emocionalmente ágil também.


A rigidez emocional é um problema para mais da metade dos líderes, e é um freio para suas carreiras, principalmente quando estamos falando do contexto ágil. Isso porque ela compromete a capacidade de liderar com eficácia e tomar as melhores decisões para o time.



Como a falta de agilidade e inteligência emocional afeta a liderança?


Por não ter essas duas características que são também qualitativas para o papel de liderança, infelizmente, muitos líderes ainda confundem manter o controle com suprimir as emoções ou deixá-las de lado no ambiente corporativo e é onde começa uma série de problemas como, por exemplo:

  • Ter pensamento rígido e repetitivo;

  • Ficar preso a padrões antigos;

  • Ter dificuldade de inovação;

  • Impedir o desenvolvimento pessoal próprio e do time;

  • Ter a habilidade de tomada de decisão comprometida;

  • Perder oportunidades que seriam proveitosas para si e para a empresa, entre outros.

É como Susan David, disse em seu livro Agilidade Emocional:


“Quando líderes se tornam dependentes de suas emoções negativas, o pensamento deles se torna rígido e repetitivo. Eles ficam presos a padrões antigos. Isso não é algo positivo para os líderes, já que uma liderança superior exige um alto nível de agilidade. A falta de agilidade emocional em uma equipe de liderança pode dificultar a inovação e impedir o desenvolvimento pessoal”.


O que nos leva a uma pergunta importante:


Como se tornar um líder emocionalmente ágil e inteligente?


Como líder, você deve sempre pensar em como suas ações influenciam as pessoas ao redor, já que a tendência é que seus liderados espelhem seus comportamentos, tanto com relação a atitudes quanto a emoções.


Um bom líder ágil não deve favorecer uma cultura de trabalho tóxica, na qual emoções são suprimidas, isso significa que ele precisa:

  1. Tornar-se mais emocionalmente ágil e inteligente;

  2. Proporcionar um ambiente que favoreça a liberdade de expressão e não suprima emoções;

  3. Promover mudanças e adotar uma cultura organizacional dinâmica

  4. Praticar a aceitação consigo e com os outros;

  5. Tomar atitudes com base em seus valores, não apenas em suas emoções.

Concluindo, a agilidade emocional, quando aliada a inteligência emocional, prepara líderes para lidar com as emoções negativas de maneiras saudáveis e produtivas. E isso é o que transforma um líder comum em um líder ágil.


Gostou desse tema, quer ler outros artigos assim?

Leia:


#sprint #agile #agilidade #SCRUM #lean #produtosdigitais #productowner #scrummaster #agilista #agilizareduca #brunafonsecapro

25 visualizações
  • Instagram Bruna Fonseca
  • Linkedin Bruna Fonseca
  • YouTube